Skip to content

Tudo sobre importação de automóveis

Neste guia vamos cobrir todos os aspetos envolvidos no planeamento e execução de uma importação bem sucedida.

Importar um veículo é uma opção inteligente que lhe pode permitir poupanças significativas e ainda aceder a modelos ou veículos com configurações que dificilmente encontra no mercado nacional.

tudo_importacao

1. A escolha do modelo

2. Os custos de propriedade

Usufruir de um carro não implica apenas o custo da aquisição. Existem outros custos que importa considerar que têm a ver com a sua utilização e posse. Ao estimar os custos recorrentes deve considerar os seguintes:

IUC

Apesar de se designar por Imposto Único Circulação é na verdade um imposto de propriedade, pois não depende de quanto circula e mesmo com o carro parado na garagem terá que o pagar. Em breve poderá simular aqui o IUC.

Combustível

Este pode ser um custo muito significativo no total dos custos de propriedade e a escolha do combustível deve estar relacionada com o número de kms totais e a quilometragem diária mais frequente. Em breve vai poder simular aqui a melhor solução para si.

Pneus e revisões

Uns bons pneus ou revisão realizada há pouco tempo do momento da aquisição podem facilmente significar 500€ de poupança no primeiro ano

Seguros

Que coberturas, com sem assistência em viagem? Com ou sem danos próprios? Em breve vai ter aqui acesso as ofertas principais companhias de forma a poder escolher a que melhor o serve.

Desvalorização do carro

Esta é uma boa razão para comprar um carro usado. A maior desvalorização ocorre no primeiro ano, quer porque incide sobre o valor máximo do carro quer porque a taxa é maior. Ao comprar um carro usado reduz muito esse custo.

Claro que pode sempre utilizar o nosso serviço chave na mão e nós fazemos a seleção por si.

3. Orçamento e crédito

A definição de um orçamento é uma questão que depende da situação económica de cada um num dado momento. Mas há duas situações que importar distinguir:

Com necessidade de crédito

Nesse caso há um conjunto de boas práticas que importa considerar:

a) Não comprometa mais de 10% a 15% do orçamento familiar no automóvel.

b) Antes de fazer o negócio compare diferentes propostas de crédito. Peça uma proposta ao seu banco – que já o conhece e lhe pode fazer uma proposta competitiva, mas não deixe de pedir outras propostas. Uma boa solução pode ser recorrer a uma intermediária de crédito onde consegue com facilidade propostas de diferentes instituições.

c) Na comparação das propostas garantir que está a considerar todos os encargos. O que lhe interessa é a TAEG (Taxa Anual Efetiva de Encargos) – taxa que inclui juros, comissões, seguros, impostos – que é o efetivamente vai ter que pagar todos os meses e não a TAN (Taxa Anual Nominal) – que se refere apenas ao que pagará de juros).

d) Que prazo contratar? Para uma mesma taxa de juro o custo financeiro – quanto terá que adicionar ao valor do carro para cobrir juros, impostos associados ao crédito, comissões e outros custos contratuais – será tanto maior quanto mais alargado for o período de liquidação do empréstimo. Por isso quanto mais curto for o prazo menores custos terá.

e) A liquidação antecipada e as suas condições é outra das variáveis a considerar na escolha do seu empréstimo. Em alguns caso só paga 0,5%, sobre o montante ainda em dívida se antecipar o pagamento. Imagine que vai receber algum montante significativo em, por exemplo 12 meses, pode fazer sentido negociar um prazo mais alargado para suportar mensalidades mais baixas e antecipar o pagamento no final de 12 meses.

Se quiser ajuda a encontrar o veículo adequado para si e recebê-lo sem mais preocupações à porta de casa tem sempre o nosso serviço chave na mão.

4. Fazer o melhor negócio

O mercado automóvel no Norte da Europa e na Alemanha em particular (de onde provêm a larga maioria das importaçõess) são muito rigorosos e as boas práticas são a regra, mas ainda assim há alguns cuidados que importa ter. Desconfie sempre dos negócios bons demais.

Os nossos conselhos são:

1. Desconfie sempre dos negócios bons demais.

2. Escolher stands com classificações boas ou muito boas nas plataformas e nas redes sociais: mais de 4,5/5.

3. Escolher stands com um número relevante de avaliações; 10 ou 20 classificações podem ser uma manipulação.

4. Escolher stands que não chegaram ontem ao mercado;

5. Escolher stands que estão habituados a lidar com exportação e – a menos que fale alemão ou contrate um tradutor – falem corretamente uma língua com que se sinta confortável.

6. Não negoceie com um stand que se recuse a responder a uma questão por escrito ou que não esteja disponível para enviar uma imagem específica que lhe possa pedir ou mesmo fazer uma vídeo call junto do veículo.

tudo_importacao

Claro que pode sempre utilizar o nosso serviço chave na mão e nós ajudamo-lo a fazer a melhor opção.

Se quer reduzir o seu risco e ter a garantia de fazer um bom negócio recorra ao nosso serviço de checkup.

5. Verificar o estado do veículo

A melhor solução é ter um relatório certificado como que oferecemos com a parceria com a checkmynext.

Importante ter em consideração que não está a comprar um carro novo e que as fotos dão muitas vezes um enfâse excessivo aos defeitos. A ideia aqui é que não seja surpreendido quando receber o carro e se justo, poder obter alguma revisão do preço.

Claro que se optar pelo nosso serviço chave na mão fazemos estas e todas as perguntas por si.

Se o veículo que escolher adquirir não tiver CoC pode comprá-lo aqui. Não se esqueça de procurar negociar esse valor com o vendedor.

Se estiver ainda numa fase preliminar do processo de escolha há um conjunto de questões que deve colocar de forma explícita:

6. Negociar o veículo

O mercado automóvel no Norte da Europa não é muito permeável a negociações. E por boas razões. São normalmente muito transparentes em relação ao estado dos veículos e por isso têm uma posição segura relativamente à justeza do valor pedido. Para além de que sendo um mercado muito concorrencial os preços já estão bastante esmagados.

Ainda assim, com base em elementos objetivos da avaliação do estado do carro (ver ponto acima), pode conseguir alguma redução de preço. Mas não conte com grandes descontos.

Se quiser entregar essa função a profissionais é muito simples tem sempre disponível o nosso serviço chave na mão.

7. Transporte

Pode desde logo optar por vir a conduzir o seu veículo, ou contratar um condutor. Mas se optar por contratar um serviço de transportes tenha muito cuidado com a escolha do prestador de serviços.

Vou contratar um transporte

Se optar por contratar um transporte, o que nós recomendamos, importa ter alguns cuidados. Não se deixe impressionar só pelo preço. Existem empresas muito diferentes no mercado e que oferecem níveis de serviço e fiabilidade muito diferentes.

Alguns aspetos a considerar:

  1. Que dimensão e idade tem a frota? Quer o seu carro chegue sem incidentes…
  2. Qual a cobertura dos seguros de carga? O veículo já é seu, o risco também.
  3. Em que prazo vai conseguir o transporte? Ter o carro já pago no stand e a carga a ser sucessivamente adiada não é uma situação em que se queira ver certamente.
  4. Tem a possibilidade de entrega ao domicílio? Se não onde ficam os entrepostos?
  5. Transportam-lhe o carro a um centro de inspeções para o poder ter já inspecionado para efeito de legalização?
Claro que a Clevercar torna tudo mais fácil. Se optar por um serviço chave na mão podemos entregar o seu veículo à porta de casa legalizado com matrículas nacionais e pronto a usar. Mas também pode optar por contratar apenas o transporte com ou sem inspeção para atribuição de matrículas incluída.

Transportar o seu carro em segurança e em prazos aceitáveis? Conheça o nosso serviço.

8. Legalização

Legalizar um automóvel importado não é complexo. Sobretudo se for de um país da União Europeia. A coisa complica-se se for de um país de fora da União Europeia ou um carro anterior a 2007 ou sem COC.

Aqui encontra os passos básicos a dar legalizar um veículo importado de um país da União Europeia com data de registo posterior a 1998.

1. Obter o número de homologação nacional
a) No IMTT (presencial ou line)
b) Necessita do COC (pode haver exceções)
2. Fazer a inspeção para atribuição de matrícula
a) Centro de Inspeção de Veículos (da categoria B, que são os habilitados para este tipo de inspeções)
b) Deverá solicitar o preenchimento do Mod 112
3. Preencher a Declaração Aduaneira e pagar os impostos
a) No Portal da autoridade Aduaneira
b) Obter a guia de liquidação e pagas o ISV
4. Registar o veículo na Conservatória do Registo Automóvel

Quer tratar da legalização com profissionais experientes e com garantia de o seu processo se iniciar em menos de 4 horas?

9. Adicionar uma garantia

A lei oferece-lhe um nível de proteção ao obrigar o vendedor a garantir o bem que vende – sobre determinadas condições – por um período de 36 meses que podem ser reduzidos por mútuo acordo para 18 meses.

O problema vai ser acionar essa garantia. Certamente não vai querer ir à França ou à Alemanha reparar o auto rádio 😉 Mas será isso que muitos comerciantes lhe proporão. A menos que tenham uma garantia/seguro de garantia com cobertura europeia. Se não for o caso então procure negociar esse valor para poder adquirir uma garantia em Portugal.

Nós podemos ajudá-lo a escolher a melhor solução, através do nosso serviço de garantias ou se optar por um serviço chave na mão.

Ficou com dúvidas?
Coloque-nos as suas questões

Ou marque uma reunião